sexta-feira, 14 de maio de 2010

Namoro de Internet

Ainda é um assunto um pouco polêmico e delicado. Não te preocupa, se tu te apaixonares por uma pessoa pela net, esse problema some rapidinho.
Vamos começar do meu começo. No meu 2º ano de Ensino Médio minha amiga de classe foi ‘apresentada’ para um menino por um amigo em comum, tudo isso pela net. Ela mora aqui em Belém, ele mora no interior do Rio de Janeiro. Foram conversando, se gostando e resolveram assumir compromisso. Quando ela me contou eu fiquei tipo: “WTF?! Como assim estas namorando uma pessoa que nunca VISTE na tua vida?” Ela respondeu que eles se gostavam e que eles estavam namorando e que o que facilitava de qualquer maneira é que, como ela tem família no Rio, ela iria no fim do ano visitar a galera dela e conhecê-lo. Ficou nessa brincadeira durante um ano, namoro sério, de aliança no dedo. Se falavam todos os dias e se amavam. Me acostumei com a idéia e (até hoje) chamei-o de cunhado. Mas chega uma hora que nem tudo é flores e ela não pôde ir nas férias seguintes vê-lo. Resultado? As dificuldades que já existiam só agravaram a situação, a relação entrou em crise e eles resolveram terminar.
Nesse meio tempo eu comecei a namorar (na vida real) e depois conheci no Orkut aquele que viria a ser o meu futuro namorado. Pois bem, terminei com meu namorado ‘de verdade’ pra ficar com o meu amado da internet. Estávamos super apaixonados, admitimos o namoro, fazíamos planos pra nos ver, como seria legal a nossa vida juntos e como nós cuidávamos um do outro apesar da distância. A nossa dificuldade? Bom, meio mundo nos separava. Eu aqui, no Pará e ele lá, em Asturias, ESPANHA. E isso foi o que fodeu com tudo. Se ele estivesse lá na Bahia com certeza a chance de termos terminado por causa de distância seriam bem menores, afinal de contas existe carro, busão, avião e pernas pra que te quero, né?! Fato é que EU não agüentei a incerteza de saber quando nos encontraríamos. Era quase um romance utópico, sem previsão de nada, afinal eu tava entrando na faculdade e ele também tinha compromissos que não poderiam ser simplesmente abandonados. Com dor no coração disse que não gostava mais dele e terminei o namoro.
Mas como tudo na vida tem os dois lados, também existem os finais felizes, onde os casais se conhecem e tem condições (leia-se condições financeiras) de manterem uma relação estável através de constantes encontros, e quem sabe posteriormente, até mesmo viverem juntos. Que nem o Kikinho e a Nanda (espero que não se importem em citá-los x]). Se conheceram no Orkut, se encontraram, se apaixonaram e vão casar. Claro que também não deve ter sido um mar de rosas mas com certeza eles já devem ter passado por obstáculos que conseguiram superar até ter a certeza de que é isso que eles querem. E outro fator importante também é que um morava no Rio e outro em SP. Aí é só correr pro abraço, jogador!

Resumo da Ópera 1: Se apaixonar pela internet nem é tão ruim assim contanto que no mínimo te certifiques que a pessoa nem mora tão longe assim, ou se morar, querriiiida( com sotaque alemão da Anna u.u) ou tu ganhas na mega sena ou tu fazes um curso de línguas de onde essa pessoa mora e vai pro intercâmbio. Ah, ta na faculdade? É só transferir, principalmente se a tua for pública. Quando a gente quer de verdade a gente planeja e luta pra que dê certo, e se não der, vale a experiência.
Resumo da Ópera 2: A minha amiga ta namorando outro carioca, no mesmo esquema de antes, a diferença é que ele já quer vir aqui pedir a mão dela em casamento e passar férias.
E eu, eu to aqui, curtindo meu momento amigos-estudos-família. A vida me proporcionou muitas coisas maravilhosas e todas elas aconteceram e acontecem no seu tempo. Finalmente estou tendo a minha oportunidade de estar só sem estar solitária. Aquilo e aqueles a quem eu amo me bastam da maneira como são e como estão.

Um comentário:

Hannah disse...

eu conheço uma que namorou um indiano e foi pra lá ra conhecer ele com já tudo certo pra casar,ela já era formada e mora lá com ele ,tah esperando ele termeinar o mestrado pra eles virem morar aqui.