segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

A nostalgia das coisas que não voltam mais...

Gente, as vezes entro numa fase meio nostálgica da qual adoro e odeio... É meio triste a gente se lembrar de certas coisas que nunca mais vão voltar, como o Guaraná Brahma, por exemplo...
Pra quem não sabe (ou não foi dessa época) o guaraná Antarctica era mais ou menos como o guaraná Brahma com muita água... Tipo, ruim... Era ruim mesmo (é até hoje, mas o povo gosta né... Prefiro Kuat ou Tubaína)...
Essa delicia (da foto aqui embaixo) parou de ser fabricado a mais ou menos uns 17 anos atras, e até hoje morro de vontade de beber algo parecido...


O mesmo acontece com o chocolate Ki-Bamba, a coleção de bonecas da Moranguinho, o Macaco Murphy, os Lango-Langos, os vinis das trilhas sonoras de novelas da Globo que bombava nas festinhas de fundo de quintal...

Na minha época, refrigerante era luxo, se comprava só quando os parentes do interior vinham te visitar ou em datas como Natal e Ano Novo...
Aniversários eram tão pobres e legais... Serviam pão Pullman cortado em triângulo com patê de sardinha ou patê Swift de presunto e panelas gigantes de Ki-suco de groselha devidamente servidos com concha de feijão em copinhos de plástico que nem sempre eram descartáveis...
Festas chiques tinham churrasco ou pão com carne louca, (aquela carne desfiada com molho) e tubaína de garrafa, a famosa Baré ...


Brigadeiro era artigo de luxo tambem, raramente tinha, o que tinha era cajuzinhos, muito mais barato e hoje em dia, depois da inversão de valores estabelecida pela sociedade moderna, é mais caro que o brigadeiro... As balas de coco decoravam a mesa e faziam a alegria da criançada...
Saquinho-Supresa, brinde, coxinhas e salgados era tipo festa na casa da Xuxa, sabe, ninguem podia fazer essas coisas, as condições eram outras... E diga-se de passagem, bem piores...
A gente dançava as coreografias da Xuxa, da Mara maravilha ou da Angélica, porque só existia isso mesmo, festa de criança tocava musica de criança, essas coisas que a gente curtia, Xuxa e Menudo, Polegar, Dominó... Nada de probidão, Taty Quebra-Barraco, Bonde do Tigrão, É o Tcham... Acho que a gente ia chorar ouvindo aquilo, se é que a gente ia entender, na minha época criança brincava de boneca, não com o boneco dos meninos, entendem...
Assistiamos os filmes dos Trapalhões e morriamos de alegria com as menores coisas possiveis...
Na minha época não existia Mc Donalds, eu morava no litoral e essas coisas só existiam em certos pontos do centro de São Paulo, não existia essa coisa de shopping, era um ou outro, quase inacessiveis...
Comi meu primeiro Big Mac aos 10 anos de idade, quando voltamos pra capital de São Paulo...
Não existia delivery, vc passava horas na fila de uma pizzaria (que tambem não era como hoje, uma em cada esquina) pra comprar pizza de mussarela, calabresa e portuguesa...
Cazuza era o hit do momento, Brasilia e Chevette eram os carros do ano, Collor era presidente e a vida era estranhamente melhor...
Não sei se é porque eu era criança e crianças não conseguem notar o quanto as coisas são fáceis ou dificeis...

Mas eu queria, só por um minuto, voltar nessa época tão gostosa, onde a gente brincava na rua, andava de bicicleta e o máximo que vc corria de perigo na rua, era deixar a bola cair na casa da vizinha chata ou tomar uma paulada com um pedaço de vassoura tentando derrubar a lata de óleo Liza brincando de Taco na rua...

Hoje em dia eu passo na rua, cansada depois do trabalho e vejo as poucas crianças na rua jogando taco e penso se seria feio eu pedir pra jogar, mas aí lembro que tenho que limpar, cozinhar, fazer as coisas de adulto e me desencanto...
Depois me debruço na varanda e fico olhando as crianças e seus pedaços de cabos de vassoura correndo, querendo estar ali, mas continuo presa na vida de adulto...
Em pensar que eu queria tanto ser adulta, hoje, só queria voltar a ser criança... E TOMAR UM GUARANÁ BRAHMA GELADINHO!!!

No fundo, lembrar dessas coisas é bom... Apesar de eu me sentir mais velha lembrando de coisas que quase niguem conhece...

=P

2 comentários:

Raki disse...

adorei, adorei o post, me identifiquei muito, morri de sede e de vontade de tomar um guaraná desses e de ir a uma dessas festas infantis, onde a gente era criança de verdade e nao ficava tentando ser adulto o tempo todo.
que delicia que era dançar xuxa, mara e ser criança, brincar de lingua de sogra, nariz de palhaço...
hj em dia somos palhaços sem nariz..sahahsu
bjao, queen

Rafix disse...

hauhauhau bom post

esse guarana brahma era bem aguado mesmo, eu preferia o antarctica