terça-feira, 24 de novembro de 2009

Guia Prático do Pobre Elegante

Antes de tudo, quero falar de Elegância.

Elegância caro leitor, é muito mais uma questão de postura que de posse. De nada adianta botar os pezinhos num sapato Louboutin (leia-se Lu-bou-tâm), enfiar seu lindo corpitcho em roupas caríssimas e se cobrir de jóias se não souber ser Elegante. E também não precisa de tudo isso, dá pra ser elegante de chinelo havaiana e vestidinho da feira.

Ser elegante é saber portar-se adequadamente de acordo com a situação. Coisa que depende muito do bom senso e, convenhamos, não é todo mundo que nasceu com esse dom. Mas, para felicidade nossa, existe uma coisa chamada etiqueta – aquele monte de regrinha sobre como se portar nas mais variadas ocasiões.


Peraí.


Para T-U-D-O!!!


Não era uma guia voltado para os nossos semelhantes – os pobres? E desde quando pobre entende alguma coisa de etiqueta?
Parece que não, mas pobre aprende etiqueta sim. Não com personal-sei lá das quantas, aprende assim, naturalmente... à base de safanão. Levanta a mão quem nunca tomou um tabefe bem dado no pé do ouvido, seguido de um “Não fala de boca cheia, ‘fi do cão!” e mais uma dezena de impropérios. Só pra citar outro exemplo clássico, pobre aprende desde cedo a agradecer, nem que não tenha o que agradecer, pobre agradece pra mostrar que é educado, pode ver, neguinho mal aprende a falar e a mãe já manda “Fala ‘brigado minino!” e sai aquela coisinha fofa e embromada “bigado”.


Elegancia na prática – O Ônibus


Mas vamos falar do que me levou a escrever este texto. Estava eu, numa quinta-feira infernalmente quente, enfiada não mais, não menos que num ônibus. Coisa normal, corriqueira na vida de qualquer pessoa menos abastada, melhor ainda quando é de graça, como no meu caso: ônibus da prefeitura , lotado, com destino a vários hospitais públicos ali de Campinas, uma verdadeira excursão passando pela PUC, UNICAMP e mais meia dúzia de ambulatórios de especialidades.
Na grandiosa falta do que fazer, comecei a observar os outros passageiros. Mais precisamente a falta coletiva de bom senso, tudo o que poderia ter de incomodo, tinha dentro daquele busão. Deixa eu esclarecer:


Perfume


Tá certo que falta de dinheiro não é desculpa pra andar fedido, pois pobre que se preza tem orgulho de dizer que é pobre, mas é limpinho.


Até aí tudo bem! Mas tem esse povo que acha leeendo se banhar no desodorante e incendiar a rua toda com seu perfume mal escolhido e pestilento. Aloou! Aqui não é França que o povo abusa dos perfumes fortíssimos pra esconder a catinga da falta de banho no inverno. Aqui, meu bem, é BRASIL, terra de sol e calor, verão 40 graus! Ai você, caro pobre, se borrifa todo daquele perfumão adocicado e penetrante, chiqueérrimo!


Lindinho...desencana que você está F-E-D-E-N-D-O!!!!


Imagina que delicia, você num ônibus lotado, em pleno sol do meio dia, com uma criatura leenda e merévilhosa sentada na sua frente com AQUELE perfume da revistinha da Avon, o mais quente e doce já inventado na terra. Segura as náuseas que a viagem só começou!


Povo maravilhoso desse bom deus, entendam uma coisa :Existe perfume para o dia, para a noite, para o verão e para o inverno. Se você não tem idéia da diferença entre eles, mete um desodorante roll-on sem perfume no sovaco e tá resolvido! Não vai ficar com pizza de suor manchando a camiseta e não vai feder, nem fazer o estômago do passageiro ao lado dar piruetas enlouquecidas.


Mas, se a teimosia for maior, porque nós somos brasileiros e brasileiro não desiste nunca (pra desastre total da nação), lembre-se de umas diquinhas básicas:
Verão: perfumes cítricos, suaves e frescos – não entendeu? Cafunga aquele Dove Fresh, é tipo aquilo.
Inverno: aí pode abusar um POUCO dos perfumes adocicados e quentes. Perfume quente, é? É. Aqueles que dão a sensação de ‘calor’ no aroma, geralmente são amadeirados e doces.


E não é apenas dentro do ônibus, as pessoas ao seu redor gostam de respirar de vez em quando, sabe?

Dedico toda a parte sobre perfumes ao meu querido irmão, que diariamente contribui para o agravamento da minha maldita rinite com sua maravilhosa falta de respeito com o nariz alheio.

6 comentários:

Queen of Madness disse...

kkkkkkkkkkkkkkkk...
rolei no chão de rir agora....

kkkkkkkkkk

pobre é uma desgraça...

kkkkkk

Cafunga aquele dove fresh....
Revisitnha da Avon...
Hey,... eu uso essas coisas da Avon tá, mas eu sei dessa de perfume pra cada dia e pra cada estação...

U.U

Onibus sempre é a melhor parte de qualquer viagem....kkkkk

ri alto com o post...

Eder Rudert disse...

Adorei! huahuahuahauaha
Muito bom!!

Falávia disse...

UHAUhauHAUHuahUHAUhauHUAHuahUAHUhauHAUhauHAUhauhUAHuahuHAUhauHAUHuahUAHUhauHAUhauhUAH


*COF COF COF*


AUHuahUHAUhauhAUHuahUHAUhauHAUhauhAUHuhauHAUHuahUHAUhauHUAHuhauHAUHuhauHUAHuhauHAUh

Ana Paula disse...

ahhhhhhhhh é uma tragédia mesmo!
o pior é que tem mta gente que usa o rexona como perfume,é um nojo horrivel aquele perfume suuuuuper forte no onibus e vc não tem p/ onde fugir ;-;

Marcely disse...

^ Rexona como perfume é tenso xD

Eu uso o mesmo perfume doce o ano todo, mas pouco, nada forte - mesmo porque tenho dor de cabeça com cheiro forte.

Raki disse...

USHAHUASHUASHUHUAHUASHUUHASHU
amei o post, super me identifiquei também pq sou super chata pra perfume, odeio rexona como perfume e esses clássicos da revistinha avon ¬¬'
pobre quer disfarçar um cheiro ruim com outro por cima, pior quando mistura a catinga com o perfume /facepalm